Parques

Caraça - Santuário / Parque

Atrativos Históricos

  • Catas Altas - Igreja Nossa Senhora Mãe dos Homens - Diego Gazola
  • Catas Altas - Santuário do Caraça - Henry Yu
  • Catas Altas - Igreja Nossa Senhora Mãe dos Homens - Leandra Balsamão
  • Catas Altas - Vitral da Capela-mor - Maria Lucia Dornas
  • Catas Altas - Ruínas do Museu - Divanildo Marques
  • Catas Altas - Ruínas do Museu - Divanildo Marques
  • Catas Altas - Ruínas do Museu - Divanildo Marques
  • Catas Altas - Santa Ceia de Athaíde - Divanildo Marques
  • Catas Altas - Santa Ceia de Athaíde - Divanildo Marques

Igreja Nossa Senhora dos Homens
O Padre Julio Clavelin, que durante 18 anos foi o diretor do colégio, foi também o responsável pela construção dessa igreja, primeiro templo neogótico construído no Brasil. A pedra fundamental foi colocada no dia 3 de setembro de 1876. Em 27 de maio de 1883, a igreja foi inaugurada com a presença de três bispos: o do Rio de Janeiro, o de Mariana e o da Bahia.Havia no local uma igreja construída no período do Irmão Lourenço, que foi demolida para dar espaço ao projeto do Pe. Clavelin. Desta igreja restaram dois altares laterais que podem ser vistos logo na entrada da igreja, um de cada lado.


Os belos vitrais vieram da França, sendo o vitral central doado por D.Pedro II.  A imagem de Nossa Senhora Mãe dos Homens é portuguesa e chegou ao Caraça em 1784. Todo o mármore utilizado na decoração foi extraído da serra de Antônio Pereira, nas proximidades de Mariana. 


Pelos 130 m de comprimento da nave estão localizados 12 altares laterais. O local onde hoje está o altar de Santo Antônio corresponde à campa onde foi sepultado o Irmão Lourenço na antiga igreja. Existe no altar uma inscrição referente ao fato.Um órgão de 700 tubos feito com madeiras nobres foi construído no próprio Caraça pelo padre português Luís Boavida.  O someiro, caixa que recebe o som para ser distribuído pelos 700 tubos, foi feito em cedro vermelho.   


A peça mais preciosa da Igreja é tela da Santa Ceia pintada por Manoel da Costa Ataíde em 1828. Originalmente, a tela ficava no refeitório, o que pode ser comprovado por velhas fotografias. Após o fechamento do Seminário, a tela passou a ser abrigada na Igreja. A paleta viva e luminosa do Mestre Ataide dá uma vida especial a esta Santa Ceia. Além do Cristo e dos Apóstolos, estão presentes na cena cinco servidores em atitudes um tanto quanto irreverentes para tão solene momento. Uma servidora carregando uma cesta de pães tomba o rosto de maneira dengosa enquanto um homem lhe toca o ombro. No lado oposto, um outro casal entra na sala de maneira  espalhafatosa. A tela traz a assinatura do mestre: “Ataíde fez em 1828”.


“O Alferes Manoel da Costa Ataíde branco solteiro morador na Cidade Mariana que vive da arte de sua Arte da pintura de idade de sessenta annos testemunha ... Ao quarto disse elle testemunha esteve hum anno pouco mais ou menos empregado nas obras de pintura e douramento da Capella de Nossa Senhora Mai dos Homens e a Serra do Caraça por ajuste que tinha feito com o falecido Irmão Lourenço fundador da mesma Capella em quem reconhece sempre muita virtude, confiança e verdade....”   


No Caraça, há também um quadro do Irmão Lourenço que é atribuído a Ataíde.No altar-mor, está o corpo de um mártir, São Pio, um soldado romano encontrado na catacumba de Santa Ciríaca, enviado de Roma pelo Papa como uma relíquia para o Caraça.No frontispício da Igreja, está o símbolo da Ordem 3ª de São Francisco de Assis, por que o Irmão Lourenço era um terceiro da ordem. Duas datas também estão registradas, 1775 e 1880, que são referentes à construção das duas igrejas. Ao centro, está a imagem de Nossa Senhora das Graças.


Catacumba
Localizada no claustro da igreja, na catacumba estão enterrados padres e ex-alunos.


Calvário

Em uma elevação próxima da Igreja, estão quatorze cruzes da via sacra. No ponto culminante, está o Calvário com as imagens em tamanho natural.  


Museu
As fortes paredes de pedra que resistiram ao incêndio de 1968 foi o que restou da ala dos alunos. Após um trabalho de restauração e adaptação, o prédio se transformou em um museu que abriga a memória do Santuário quando colégio e seminário. Ali estão guardados objetos, fotos e documentos. As peças que mais chamam atenção são as camas de D. Pedro II e D. Tereza Cristina quando pernoitaram no Caraça.  


Biblioteca
No século 19, na Província de Minas, duas bibliotecas se destacavam pelo número de volumes e pelo valor cultural de seu acervo. Uma era a Biblioteca Municipal Batista Caetano de Almeida, instalada em 1827, na cidade de São João del-Rei. A outra era a Biblioteca do Colégio do Caraça, provavelmente com cerca de 50.000 volumes.


Quando houve o incêndio em 1968, a maioria dos livros se queimou. O que se sabe ao certo é que quase 15.000 livros foram salvos pelos alunos e pelos Padres que enfrentaram o fogo para salvar o rico acervo. Hoje, contando com mais de 30.000 volumes, a Biblioteca do Caraça guarda dentre suas preciosidades 2.500 obras raras.


A Biblioteca atualmente está instalada no segundo andar do prédio onde funcionava o Colégio e que hoje abriga o Museu, a Biblioteca, o Arquivo Histórico e Fotográfico e um Centro de Convenções.