Destinos

Diamantina

Intendente Câmara

Intendente Câmara

 

Manoel Ferreira Câmara Bitencourt e Sá

 

 

Cronologia

Nasceu: 1764

Faleceu: 13 de dezembro de 1835, Bahia

Natural de Vila Nova da Rainha de Caeté, hoje Caeté. Existem divergências sobre seu local de nascimento.

 

 

Formação

Graduado pela Universidade de Lisboa

 

Atividades

Indendente Geral das minas e dos diamantes do Serro Frio

 

Trajetória de vida

“Nada mais difícil que descrever seu caráter moral, cheio de contradições e incoerências; predominavam, porém, sempre as excelentes qualidades que adornavam-lhe o espírito e o dirigiam para o bem. Em certas circunstâncias mostrava-se homem déspota, arrogante, altivo, orgulhoso, enfatuado; em outras, o homem urbano, amável, popular, descendo a nivelar-se com a classe ínfima, convivendo com ela, esquecendo-se de sua posição e autoridade, de que estava revestido. Algumas vezes, mas raramente, colérico, vingativo, desumano, inexorável, sem compaixão...” Assim Felício dos Santos descreve Manoel Ferreira Câmara Bitencourt e Sá, o primeiro Intendente de nacionalidade  brasileira  a administrar o Distrito Diamantino e pioneiro da siderurgia no Brasil.

 

 

Em 1783, Manoel Ferreira estava matriculado na Universidade de Lisboa e, em 1789, já  ganhava  um premio da Academia Real de Ciências de Lisboa pela obra  “Ensaio de Descrição Física e Econômica da Comarca de Ilhéus na América.”

 

 

Devido a seus trabalhos acadêmicos acabou participando  de uma expedição científica organizada  pela Coroa Portuguesa, tendo, então, a oportunidade de visitar a Alemanha, Hungria, França, Inglaterra e Itália.

 

 

Tomou posse como Intendente Geral das Minas e dos Diamantes do Serro Frio em outubro de 1807. Percebeu, logo no início da sua administração, a dificuldade para extrair o ouro e o diamante, assim como o potencial da região para exploração do minério de ferro. O alvará de janeiro de 1785 havia sido substituído pelo de 1º de abril de 1808, que permitia o livre estabelecimento de fábricas e manufaturas no Estado do Brasil. Com essa abertura o Intendente Câmara teve a oportunidade de colocar em prática um de seus projetos – uma fábrica de ferro. Percebia que a solução para a ampliação econômica da região seria a siderurgia, e não mais a   mineração de diamantes, então, em  declínio total.

 

 

Por causa dos seus conhecimentos teóricos e práticos na metalurgia obteve permissão para  instalar a primeira fábrica de ferro que o governo português permitiu no Brasil. Gaspar Soares  foi a  localidade escolhida. Esse nome se refere a um dos primeiros mineradores da região. Depois mudaram o nome para Morro do Pilar, devido a uma capela que foi edificada em homenagem a  Nossa Senhora do Pilar. Assim, o local, rico em minério de ferro, acabou ficando conhecido pelos dois nomes.

 


Aos poucos, as inúmeras dificuldades foram sendo vencidas, e o Intendente conseguiu colocar a fábricaem funcionamento. Na realidade, a fábrica jamais deu lucro, a Fazenda Real acabou por ter prejuízos, mas era o início da experiência siderúrgica no país e que abriu campo para outras experiências. Após o Intendente ter deixado seu cargo de diretor da fábrica a decadência acabou sendo  inevitável. 

 

 

Outra experiência do Intendente na área da mineração foi a exploração do salitre. Em 1799, as nitreiras da Serra do Cabral tinham sido descobertas, eram excelentes jazidas, o salitre já se encontrava quase purificado naturalmente.

 

 

Após quatorze anos à frente do Distrito Diamantino, o Intendente Câmara pede demissão do cargo.

 

 

Em abril de 1822 é convocado por José Bonifácio a tomar posse na Corte como representante de Minas no Conselho de Procuradores. Depois, foi eleito Deputado para a Assembléia Geral Constituinte e Legislativa. Em 1825, ocupava o cargo de Senador do Império.

 

 

O Intendente acabou fixando residência em uma fazenda, na Bahia, onde se dedicou à agricultura. Aí começou uma plantação de raiz de araruta (maranta indica) que se tornou uma alternativa  econômica para a região.

 

 

Homenagem

Em justa homenagem dá nome:

A uma estação ferroviária na cidade de Ipatinga

“Prêmio Intendente Câmara” – Associação Brasileira de Metalurgia
Usina Intendente Câmara da Usiminas, Ipatinga

Colégio Estadual Intendente Câmara – Morro do Pilar/MG

Escola Estadual Intendente Câmara - Itabirito/MG

 

 

Livros

O Intendente Câmara. Marcos CarneiroMendonça. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional.1933.

Memória do Distrito Diamantino. Joaquim Felício dos Santos

 

Enviar link