Destinos

Contagem

A Cidade Industrial

A criação da Cidade Industrial e a construção de uma usina hidroelétrica foram as mais importantes realizações para o desenvolvimento econômico de Minas Gerais durante o Governo Benedito Valadares (1933-1945), inclusive servindo de base para futuras iniciativas estatais.  “Industrialização era a única saída para superar o atraso econômico e que essa só poderia ser orientada e promovida, através de uma ação coordenada do setor público”. (Célio C.Diniz).


Através do Decreto nº 770, de 20 março de 1941, o governo declarou de utilidade pública e desapropriou uma área de 270 ha para a construção da chamada “Cidade Industrial”. Esse local conhecido como Ferrugem situava-se na divisa de Belo Horizonte e do distrito de Contagem, na época pertencente a  Betim. O local se  mostrava ideal para a instalação de indústrias, já que estava fora do núcleo urbano de Belo Horizonte. Outra preocupação era ficar fora da área de concessão da Companhia Força e Luz de Minas Gerais, subsidiária da Bond and Share, que além do deficiente fornecimento de energia elétrica tinha tarifas muito elevadas. Constroi-se a Usina de Gafanhoto, no Rio Pará, para fornecer eletricidade. O local escolhido era servido pelas ferrovias EFCB e RMV, possuía disponibilidade de água e era próximo à fontes de matérias-primas minerais.


O planejamento urbanístico ganhou um traçado hexagonal e foi inspirado no Distrito Industrial de Camberra, na Austrália. Mas, devido à crise dos anos de guerra, a Cidade Industrial só foi inaugurada em 1946. O Governador Benedito Valadares promoveu uma verdadeira campanha de promoção e atração de indústrias, na qual empenhou-se pessoalmente, convocando industriais para que se instalassem na nova Cidade Industrial.


A Companhia de Cimento Portland Itaú, com capital de 20.000 contos e capacidade de 200 t/dia foi a indústria mais importante a se instalar naCidade Industrial . “Poucas indústrias a principio se animaram a instalar-se na nova cidade industrial em formação. Ausência de mercados consumidores em suas proximidades e a precariedade dos transportes, para os maiores centros urbanos do país, anulavam os esforços do governo Mineiro que, ofereciam todas as facilidades para a atração de novas indústrias para o parque industrial que se pretendia criar”. (A.Chagas Diniz).


Em 1948, a Cidade Industrial foi incorporada a Contagem, passando a se constituir num distrito, hoje chamado Distrito Industrial Cel. Juventino Dias. Nas décadas de 50 e 60 aconteceu a implantação significativa da indústria têxtil, iniciando a substituição das importações que começa a ocorrer no país. A década de 70 trouxe uma fase de expansão e consolidação  do distrito. 71% das unidades industriais foram ali instaladas após 1970. Novos distritos foram criados:  CINCO, CINCÃO e CINQUINHO. 


“A Superintendência de Estatística da Secretaria de Planejamento assinala que predominam nos ramos de materiais eletroeletrônicos e materiais de transporte, as empresas de grande porte; nos ramos metalúrgico, minerais não-metálicos, química, alimentos e bebidas, e mecânica, plantas de médio porte; entre indústrias têxtil, papel e gráfica, calçados, borracha, fumo e couro sobressaem as unidades de pequeno porte.


Em geração de riqueza, destacam-se os sub-setores de metalurgia, material eletroeletrônico, material de transporte, alimentos e bebidas e minerais não-metálicos, este último representado pela produção da Magnesita, que responde sozinha por, aproximadamente, 34% da produção nacional e 73% da estadual de refratários.


O sub-setor metalúrgico é bastante diversificado em produtos e processos tecnológicos. Em Contagem concentra-se grande parte das indústrias metalúrgicas metropolitanas, entre elas, destaca-se a Belgo-Mineira. Tem como principal característica a verticalização e integração produtiva em nível nacional.


O sub-setor de material eletroeletrônico e de comunicações, relativamente novo no Estado, está representado no município por importantes empresas que adotam tecnologia de ponta.


Em processo de consolidação no Estado, e representando um parque tecnológico relativamente modernizado, as indústrias químicas e de derivados de plástico começam a ganhar expressividade no contexto municipal de Contagem. O segmento produtor de plásticos, trabalhando com equipamentos relativamente modernos, absorve o maior número de empresas do sub-setor. Sua produção é voltada, principalmente, para o fornecimento de auto-peças .


Fonte: Secretaria Municipal de Planejamento - Superintendência de Estatística e Gestão de   Informação.”

Enviar link