Destinos

Congonhas

Oséias

© Sérgio Freitas Congonhas - Profeta de Oseias - Sérgio Freitas Profeta de Oseias

O mais importante dos profetas menores, Oséias, cujo nome é uma abreviatura de 'Lavé Salvador', ocupa no Santuário lugar sobre o pedestal que arremata o parapeito de entrada do Adro. Oséias viveu em Israel no Século 8 a.C., pouco depois de Amós.


Suas profecias, em quatorze capítulos, são geralmente consideradas entre as partes de mais difícil interpretação da literatura do Antigo Testamento, pela independência do autor quanto às tradições e cunho pessoal de seus escritos. Muitas vezes descreve o amor divino com imagens tomadas do amor terrestre, e em duas passagens, converte sua pregação em ação simbólica.


O tema da inscrição do filactério, que Oséias segura na mão esquerda, traduz uma dessas ações simbólicas. O casamento, por ordem do Senhor, com a esposa adúltera, tomada como imagem da terra de Israel prostituída pela sua infidelidade ao Deus único.


A inscrição, também em latim, como nos filactérios de todos os Profetas do Adro do Santuário do Senhor Bom Jesus, tem a seguinte tradução: 'Toma a adúltera, disse-me o Senhor. Eu o faço, e ela, tornando-se minha esposa, concebe e dá luz. Oséias, Capítulo 1'.


Oséias, assim como Ezequiel e Jeremias, veste um casaco curto, abotoado da gola à barra, e preso à cintura por uma faixa. A cabeça é coberta por um barrete semelhante ao de Ezequi el. Calça botas tipo borzeguins e tem na mão direita uma pena, cuja ponta, apoiada sobre a barra do manto, reproduz uma atitude de quem está escrevendo.


A anatomia da escultura é correta, apesar da discrepância entre o comprimento dos dois braços. A estátua é composta por dois blocos de pedra, com ligação um pouco abaixo do ombro, sendo que há uma certa deficiência na articulação do conjunto, dando a impressão de um certo deslocamento, o que parece indicar que na execução desta peça houve a intervenção dos auxiliares de Aleijadinho.


In: Cidade dos Profetas, Sexta edição, dezembro de 2001.

© Maria Lucia Dornas Congonhas - Oseias - Maria Lucia Dornas Oseias