Destinos

Congonhas

Isaías

© Sérgio Freitas Congonhas - Profeta Isaias - Sérgio Freitas Profeta Isaias

O mais importante profeta do Antigo Testamento, Isaías, abre a série de honra na entrada da escadaria do lado esquerdo do Santuário. Isaías viveu em Jerusalém na segunda metade do Século 8 a.C. e foi o autor do primeiro dos livros dos proféticos na ordem do cânon da Bíblia. O objetivo principal de sua profecia parece ter sido o de manter viva a fé de Israel na redenção final a ser consumada com a vinda do Messias. Profetizou, entre outros, a Anunciação à Virgem Maria e o Nascimento de Cristo.


O Profeta Isaías, esculpido por Aleijadinho, tem o tipo físico de um personagem de idade avançada, barbas e cabelos abundantes. Veste uma túnica curta, que deixa descoberto a parte inferior das pernas calçadas de botas. Segura o filactério com a mão esquerda, enquanto a direita aponta para o texto inscrito em latim: 'Depois que os serafins celebraram o Senhor, um deles trouxe aos meus lábios uma brasa com uma tenaz. Isaías cap.6'.


Esses versículos descrevem um dos acontecimentos capitais da vida do Profeta. Trata-se da passagem do capítulo VI do livro de Isaías, embora a transcrição não seja literal, que se refere à tomada de consciência de sua vocação, durante uma aparição do Deus de Israel entre uma corte de serafins, um dos quais purifica os lábios do Profeta com um carvão ardente, preparando-o assim para sua nova missão.


A estátua de Isaías apresenta erros anatômicos de grande evidência, como a desproporção entre as partes superiores e inferiores do corpo, a estreiteza dos ombros, braços rígidos e curtos. É composta de dois blocos de pedra, cuja ligação se encontra à altura dos ombros.


Apesar de trazer a marca da interferência do 'Atelier', a expressão da cabeça de Isaías não é outra senão aquela criada pelo gênio Aleijadinho. A verdadeira expressão de um iluminado diante de uma visão, constituindo-se numa das mais importantes peças de todo o conjunto arquitetônico.


In: Cidade dos Profetas, Sexta edição, dezembro de 2001.

© Maria Lucia Dornas Congonhas - Isaias - Maria Lucia Dornas Isaias
© Maria Lucia Dornas Congonhas - Isaias - Maria Lucia Dornas Isaias