Destinos

Congonhas

Ezequiel

© Sérgio Freitas Congonhas - Profeta Ezequiel - Sérgio Freitas Profeta Ezequiel

Do lado oposto a Baruc, no pedestal que arremata o muro de alinhamento central do Adro, encontra-se Ezequiel, o terceiro dos grandes Profetas. Também conhecido por 'Profeta do Exílio', por ter sido banido para a Babilônia juntamente com o povo de Israel em 597 a.C., Ezequiel concentrou em suas profecias grande número de visões apocalípticas, fortemente influenciadas pela mitologia babilônica.


A inscrição do filactério é alusiva a uma dessas visões, síntese geral do capítulo 1º de se seu livro de profecias: 'Descrevo os quatro animais do meio das chamas e as rodas horríveis e o trono etéreo'.


A citação traduz a síntese de três etapas sucessivas da visão do profeta. Primeiramente, aparecem-lhe quatro animais alados de quatro faces cada um. Em seguida, as quatros rodas de um carro de fogo sustentando um trono de safira e, finalmente, sobre esse trono, o próprio Deus de Israel.


O tipo fisionômico de Ezequiel é o mesmo de Jeremias. Usa bigodes e barba curta, seccionada em dois rolos frisados e cabelos longos caindo sobre a nuca. Ao invés da túnica curta, o Profeta veste uma túnica longa e cintada, que deixa descoberto apenas a ponta do pé direito. Em lugar do turbante, Ezequiel traz na cabeça um barrete com viseira presa por um laço pouco acima da nuca. Recobrindo toda a parte posterior da imagem, o manto é magnificamente decorado por uma barra de desenhos com volutas entrelaçadas.


A escultura não parece ter sofrido intervenção do 'Atelier'. Sua grande força de expressão revela cuidados particulares de Aleijadinho em sua execução. A imagem é composta de dois blocos de pedra unidos na região da cintura. Além da impressionante expressão da cabeça, destaca-se também a significativa flexão do braço direito.


In: Cidade dos Profetas, Sexta edição, dezembro de 2001.

© Henry Yu Congonhas - Profeta Ezequiel - Henry Yu Profeta Ezequiel
© Maria Lucia Dornas Congonhas - Ezequiel - Maria Lucia Dornas Ezequiel
© Maria Lucia Dornas Congonhas - Ezequiel e Habacuc - Maria Lucia Dornas Ezequiel e Habacuc