Destinos

Congonhas

Passo Subida do Calvário

Já defronta a esplanada que antecede a escadaria do Templo, encontra-se a penúltima capela que abriga o Passo da Subida do Calvário ou Cruz-às-Costas, segundo denominação popular. Construída entre 1867 e 1875, a capela se diferencia das demais pela extrema simplificação da cartela acima da porta, reduzida a um painel retangular, trazendo é : 'Tomando sobre si a Cruz/S. João. Cap. 17, v.19'.


As letras são grosseiramente esculpidas como na capela da Flagelação e Coroação de Espinhos. Os números do capítulo e versículo de São João encontram-se envertidos. Aleijadinho escolheu, para ilustrar o caminho de Cristo para o Calvário, o episódio do 'Encontro com as Filhas de Jerusalém', relatado por São Lucas, Cap. 23, v.27,28. 'E seguia-o uma grande multidão de povo e mulheres, as quais batiam no peito e lamentavam. Mas Jesus, voltando-se para elas, disse: ' Filhas de Jerusalém, não choreis por mim, mas chorais sobre vós mesmas e sobre vossos filhos'.


A figura do arauto tocando trombeta,  a do soldado e a posição de marcha da maioria das imagens, indicam claramente que a composição geral da cena está centrada na idéia de um cortejo. O tema se adapta mal às reduzidas dimensões da capela, dando uma visão de concentração dos personagens. A solução encontrada, visto o pouco espaço interior da capela foi retratar um breve momento de pausa na marcha para Gólgota. Crito se volta para falar a duas mulheres que o seguiam em prantos. Uma delas faz menção de enxugar suas lágrimas, enquanto que a outra segura nos braços a figura de um menino, reforço suplementar à imagem proposta pelo evangelista ('Chorais sobre vossos filhos').


Esta mulher leva o menino aos braços veste-se pitorescamente à moda setecentista das mulheres do povo, tema bastante comum nos presépios baianos e portugueses do período. Trata-se do segundo exemplo de ruptura com a iconografia até agora encontrada nestes Passos.


Entre os componentes do grupo desta capela encontram-se dois casos de transferência de imagens. Um do menino com um cravo na mão, transferido na restauração de 1957, da Capela da Crucificação para este Passo, e uma das figuras de soldado, facilmente indentificável pela policromia análoga a dos soldados do grupo da Flagelação e Coroação. Ambas as transferências são confirmadas pelo primeiro inventário detalhado dos Passos, elaborado em 1875, que nos dá um total de nove imagens apenas para o grupo Cruz-às-Costas, duas a menos que atualmente. Estas transferências se justificam por razões iconográficas e ambientais, uma vez que tanto o menino colocado à frente de Cristo, quanto o soldado integram-se perfeitamente ao conjunto deste Passo.


As únicas figuras neste grupo atribuída inteiramente a Aleijadinho é a do Cristo e da mulher que lhe enxugou as lágrimas. Sua intervenção direta pode também se notada em duas imagens vestidas à moda setencentista, e na imagem do arauto que precede o cortejo, cujo rosto redondo, de nariz arrebitado e quixo fendido, faz lembrar as habituais fisionomias anjinhos do Aleijadinho. Todas as demais peças secundárias que integram o grupo são de qualidade inferior, e formam o conjunto mais fraco de imgens de soldados dos Passos da Paixão. Estas figuras acusam a imperícia dos oficiais que as realizaram, pois é visível a falta de um técnica mais apurada.


A policromia é diferente de todos os outros Passos e apresenta características próprias. As carnações, excetuando-se a de Cristo, que é quase mulato, são claras e pálidas. As couraças são de um cinza bem claro bem próximo do azul, e os saiotes variam de crescentes de amarelo, laranja e vermelho. As cores são bem mais claras do que na capela anterior, com a inclusão do verde, ligeiramente amarelado, que colore o manto e a fita da mulher com o menino. A completa ausência de referência documentais, impede a identificação do autor da policromia do Passo da Subida ao Calvário. Entretanto, as evidências comprovam que a pintura deste quinto passo foi realizada por artistas diferentes dos da quarta capela. A data precisa em que é plausível de dúvida, sendo mais provável a segunda metade do século 19, possivelmente antes de 1875.


In: Cidade dos Profetas, Sexta edição, dezembro de 2001.

© Sérgio Freitas Congonhas - "Passo "" Jesus carregando a cruz """ - Sérgio Freitas "Passo "" Jesus carregando a cruz """
© Maria Lucia Dornas Congonhas - Menino com cravo - Maria Lucia Dornas Menino com cravo
© Maria Lucia Dornas Congonhas - Cristo com Cruz às costas - Maria Lucia Dornas Cristo com Cruz às costas
© Maria Lucia Dornas Congonhas - Cristo com cruz às costas - Maria Lucia Dornas Cristo com cruz às costas
© Maria Lucia Dornas Congonhas - Cristo com cruz às costas - Maria Lucia Dornas Cristo com cruz às costas
© Maria Lucia Dornas Congonhas - Detalhe da mão do Cristo - Capela Cruz às costas - Maria Lucia Dornas Detalhe da mão do Cristo - Capela Cruz às costas