Destinos

Ouro Preto

Claude-Henri Gorceix

Henri Gorceix

Claude-Henri Gorceix


Cronologia
Nasceu: 19 outubro de 1842
Faleceu: 6 de setembro de 1919
Filiação: Antoine Gorceix
e Cécile-Valérie Beaure La Mareille
Natural de Saint Denis des Murs/França


Formação
Graduado pela Escola Normal Superior de Paris – Seção Ciências


Atividades
Assistente de Ciências Físicas e Naturais na Escola Superior de Paris
Professor de Física no Liceu de Angoulème
Professor da Escola Francesa de Atenas, Grécia
Pesquisador da geologia grega, continental e insular
Organizador  e Diretor da Escola de Minas de Ouro Preto
Professor de Mineralogia, Geologia e Física na Escola de Minas de Ouro Preto
Prefeito de Le Mont  par Bujaleuf, França.


Trajetória de Vida
 
 
Claude-Henri Gorceix  foi um aluno brilhante no Liceu de Limoges  e, graças a sua dedicação aos estudos, ganhou uma bolsa para prossegui-los  e preparar-se para o concurso da Escola Normal Superior de Paris. Quando termina seus estudos superiores, ocupa o cargo de Assistente de Ciências Físicas e Naturais, quando passa a se interessar pela Geologia e Mineralogia. Foi nomeado professor de Física no Liceu de Angoulème, mas sentia-se insatisfeito por não poder dedicar-se à pesquisa.


Uma grande experiência na sua vida foi quando recebeu a nomeação para a Escola Francesa de Atenas, pois, lá, pode se dedicar à atividade de pesquisa geológica. Ao retornar à França, seus planos eram dar continuidade à carreira de professor universitário. Mas, surgiu a indicação feita pelo professor Auguste Daubrée ao Imperador D. Pedro II: ”o senhor Gorceix não é apenas um sábio de grandes e sólidos conhecimentos. Gosta de viajar e sabe como viajar. Demonstrou, em várias circunstâncias, energia e intrepidez. Suas qualidades pessoais, mormente sua lealdade, proporcionaram a estima de seus antigos mestres. Devo acrescentar que o ardor que ele aplica em suas pesquisas científicas se exterioriza numa certa vivacidade que não se deve confundir com leviandade.”


No final de julho de 1874, Claude-Henri Gorceix chegava ao Brasil. Foram 17 anos de residência no país, dedicando-se exclusivamente a Escola de Minas, que organizou e da qual foi diretor.


Gorceix foi de grande importância para o ensino brasileiro. Suas dificuldades foram muito grandes: “lentidão burocrática em aprovar os regulamentos, para contratação de professores, admissão de alunos e criação de cursos. Tentativas de intromissão da política na direção da Escola. Despreparo dos alunos que se apresentavam para seguir os cursos. Dificuldades na contratação de professores. Falta de interesse do Ministério no atendimento de pedidos essenciais à vida da Escola ou desenvolvimento do ensino” (Walter von Krüger). Gorceix, com sua tenacidade e amor ao ensino, lançou as raízes de uma das mais respeitadas escolas de Engenharia de Minas e Geologia do país.   


Apesar da escola absorver quase todo o seu tempo, Gorceix teve oportunidade de se dedicar às pesquisas que foram de grande importância para a Geologia e Mineralogia brasileira. Seus alvos principais de pesquisas foram: jazidas de pedras preciosas, como as de topázios, euclásios; filões de ouro na região de Ouro Preto; as jazidas de diamantes, na região de Diamantina. Mas, dedicou-se especialmente à identificação dos diferentes tipos de minerais de ferro, pela repartição de suas jazidas e pela avaliação de suas reservas.


Tempos difíceis para a direção da escola foram os que se sucederam após a queda do Império. Era delicada sua situação devido aos estreitos laços com o Imperador. Em outubro de 1891, pediu demissão dos cargos de diretor e professor da Escola de Minas. Esteve algum tempo em São Paulo, onde lhe foi feito o convite para organizar o ensino no estado, mas preferiu retornar à França, o que aconteceu em 1897. Estabeleceu-se em Le Mont par Bujaleuf, um município na área rural.


Principais obras
Lês explorations de l’or dans la provincee de minas Geraes, Brésil: Soc. Geogr., Bulletin, 6me. Ser., t. XII, P. 530-543.1876. Paris –


Note sur la roche connue vulgairement au Brasil sous le nom de Canga, et sur le bassin d’eau douce de Fonseca.
(Province de Minas Geraes): Soc. Geol. de France, Bulletin 3me. Ser., t. IV, p. 321-323. Paris – 1876. Acad. Sci. Comptes Rendus, t. LXXXII, p. 631-632. Paris 1876.


Sur divers minéraux du Brésil.
(Extrait d’une lettre): Soc. Géol. De France, Bulletin, 3me. Ser., t. IV, p. 522. Paris – 1876.


Sur une roche intercalée dans lê gneiss de la Mantiqueira (Brasil) Acad. Sci.
Paris, Comptes Rendus, t. LXXXII, p. 688-689. Paris – 1876.


Soc. Géol. De France, Bulletin, 3me. Sér., t. IV, p. 434-435. Paris – 1876.


Gisement du Topaze au Brésil: Revue de Géologie pour lês années 1876 et 1877, p. 199-200, Paris – 1879.


O ferro e os mestres de forja na Província de Minas Geraes, 16 p. Ouro Preto 1880.


Sur le gisement de diamant au Brasil.
(Extrait d’une leerte à M. Delesse): Soc. Min. De France,  


Bulletin, t. III. P. 36-38. Paris – 1880.


Estudo chimico e geologico das rochas do centro da província de Minas Geraes: Ouro Preto,


Escola de Minas, Annais, n. 1, la. Part., p. 1-12, n. 2, 2ª. Part., p. 7-23. Ouro Preto – 1881-83.


Estudo geologico das jazidas de topázio da província de Minas Geraes: Ouro Preto. Escola de 


Minas. Annaes, n. 1, p. 73-74. Ouro Preto – 1881.


Em francês: Étude géologique dês gisements des topazes de la province de Minas Geraes,  


Brésil França,  École Normale Supérieure. Annales Scientifiques, 2me. Ser., t. XI, p. 1-32, n     


2maps. Paris – 1882.


Geologv of the province de Minas Geraes; The Rio News, V. VIII, n. 15, Rio de Janeiro – 1881.


Riquezas minerais da Provincia de Minas Geraes. (Conferencia, 31 de Mar. de 1881). 45 p.   Ouro Preto.


The Diamond Deposits of the Province of Minas Geraes, Brazil: Eng. Min. Journal, V. 34, p. 8.
New York – 1882.


Bacias terciárias de água doce nos arredores de Ouro Preto (Gandarella e Fonseca), Minas  Geraes, Brasil: Ouro Preto, Escola de Minas, Annaes n. 3, p. 95-114. Rio de Janeiro – 1884.


Estudos sobre a monazita e a xenotima do Brasil: Ouro Preto, Escola de Minas, Annaes, n. 4,  p. 29-48. Ouro Preto. – 1885.


Sur des sables à monazite de Caravellas, province de Bahia, Brésil: Acad. Sci. Paris, Comptes-Rendus, t. c. p. 356-358. Paris – 1885.


Explorações geographicas no Brasil: Ver. Engenharia, 1890, p. 360-362, Rio de  Janeiro – 1890.


Minas Geraes, l’um des États du Brésil: situation, ressources, population, 30 p. Paris – 1891.


Diamonds in Brazil, Brazilian Min. Review, v. I, n. 1 p. 13-14, Ouro Preto – 1902.


Organização de uma Escola de Minas na provincia de Minas Geraes (Relatório apresentado no Rio de Janeiro, em setembro de 1875). Ouro Preto, Escola de Minas, Annaes, n. 7, p. 32-59. Ouro Preto – 1905.


Homenagem
Em justa homenagem, seu nome foi dado:
Fundação Gorceix – 1959
Entre seus objetivos, estão: realizar pesquisas científicas no campo das atividades Geológica, Siderúrgica e Metalúrgica em geral, orientadas sempre no sentido de atender às condições e características do país; conceder bolsas de estudo destinadas ao aprimoramento cultural e técnico de estudantes e engenheiros dedicados à Geologia, à Mineração, à preparação dos minérios, à siderurgia e à metalurgia em geral; colaborar no sentido de tornar cada vez melhores e mais atualizadas as atividades técnico-educativas da Escola de Minas; e colaborar para a pesquisa e o conhecimento de novos recursos minerais do Brasil.


Setor de Mineralogia “Professor Claude- Henri Gorceix”
, do Museu de Ciência e Técnica.


Prêmio
Prêmio Delesse -1887


Outros

No seu falecimento, em 1919, o Estado de Minas Gerais e a Escola de Minas permaneceram em luto por oito dias.


Inauguração do seu busto, em bronze, no pátio da Escola de Minas, em 1935.


No dia 11 de outubro de 1970, as cinzas de Gorceix foram exumadas do cemitério de Saint-Denis-des-Murs e transladadas para Ouro Preto. Encontram-se em uma sala especial no Museu de Ciência e Técnica.