Destinos

Conselheiro Lafaiete

Chafariz da Praça Barão de Queluz

  • Conselheiro Lafaiete - Praça Barão de Queluz - Jornal Correio da Cidade

Sabe-se, unicamente pela tradição e pelo testamento de antigos moradores, apurados em justificação requerida pela Câmara, que a água do Morro da Mina, a primeira que foi captada, pertencia a Felicíssimo Cândido de Meirelles, o velho, que a doou para abastecimento público. A canalização, segundo consta, foi realizada pelos barão de Queluz (Joaquim Lourenço Baeta Neves Filho), Barão de Suassuhy (José Ignácio Gomes Barbosa) e Joaquim Afonso Baeta Neves, que a financiaram em troca de uma pena d' água de mil litros para cada um.


Esse serviço foi feito provavelmente por volta de 1865, segundo informação da Câmara. O engenheiro Henrique Gaber, às suas expensas, erigiu um chafariz de pedra no Largo da Matriz.


Em 1878, foi encomendado à fundidora M. J. Medeiros Cia. o projeto de um chafariz para o Largo da Matriz e mais quatro chafarizes pequenos, que seriam colocados em diversos pontos da cidade.


O grande chafariz instalado no Largo da Matriz foi colocado sobre um pedestal formado por quatro degraus de granito (os mesmos que outrora serviram ao Pelourinho, erigido a 19 de setembro de 1790), medindo aproximadamente três metros de altura, por um metro e meio de circunferência.


Possuía quatro bicas de bronze, pelas quais jorrava água. Abaixo das bicas, havia quatro mesas ou banquetas, redondas, trabalhadas em ferro, para apoio de latas e vasilhas usadas no carregamento de água. Entre as mesas e as bicas, havia um ornamento com folhas de fumo, em bronze. Na parte superior, uma grinalda de flores, que ainda se conserva, em cima de um lado, por uma placa com a data 1881, e do lado oposto outra com o dístico. "Assíduo vir propositi tenax omnia vincit", que significa "Constante vai à proposta tenaz de todos vencerem". No capitel, uma fruteira que contém diversos tipos de flor e fruta, tendo ao alto um abacaxi, símbolo da realeza.


Com a instalação da luz elétrica na cidade, em 1971, foram afixados no capitel do chafariz quatro braços de ferro com luminárias. Com a implantação da Cemig, as luminárias foram retiradas.


O chafariz é tombado pelo município.


Fonte: Acervo do Patrimônio Histórico Cultural de Conselheiro Lafaiete

Enviar link