Destinos

Mariana

Distrito de Santa Rita Durão

  • Mariana - Detalhe janela com rótulas - Maria Lucia Dornas
  • Mariana - Detalhe de janela - Maria Lucia Dornas
  • Mariana - Santa Rita Durão - Maria Lucia Dornas
  • Mariana - Igreja de N. S. do Rosário - Maria Lucia Dornas
  • Mariana - Cemitério Ig. N.S.do Rosário - Maria Lucia Dornas
  • Mariana - Igreja Matriz de N. S. de Nazaré - Maria Lucia Dornas
  • Mariana - Det. Ig. de N. S. de Nazaré - Maria Lucia Dornas
  • Mariana - N S. de Nazaré - det. do forro - Maria Lucia Dornas
  • Mariana - Ig. N. S. de Nazaré - Maria Lucia Dornas
  • Mariana - Estrada Real - trecho B.Rodrigues - St. R. Durão - Maria Lucia Dornas
  • Mariana - Estrada Real - trecho B. Rodrigues - St.Rita Durão - Maria Lucia Dornas
  • Mariana - Estrada Real trecho B.Rodrigues - St. R. Durão - Maria Lucia Dornas
  • Mariana - Detalhe Janela com rótulas - Maria Lucia Dornas
  • Mariana - Grimpa da Ig. N.S. de Nazaré - Maria Lucia Dornas
  • Mariana - Det. da portada -Ig.N.S. de Nazaré - Maria Lucia Dornas
  • Mariana - S.Pedro det.pintura do forro - Ig.N.S.Nazaré - Maria Lucia Dornas
  • Mariana - Det.pintura do forro - Ig. N.S.de Nazaré - Maria Lucia Dornas
  • Mariana - Janela com rótulas - Diego Gazola

Na passagem do século 17 para o 18, o bandeirante Salvador Faria de Albernás, em suas explorações pelo Ribeirão do Carmo, encontrou ouro em um local que ganhou o nome de Inficionado. Devido aos seus achados e pesquisas, recebeu o título de sargento-mor.


Para o historiador Diogo de Vasconcelos, a origem da palavra Inficionado se deve a uma turba de desordeiros que infestaram o ribeirão. Já para o Barão de Echwege, pioneiro da siderurgia em Minas, a palavra Inficionado significa ouro de má qualidade. Em um poema do Frei Santa Rita Durão, há uma referência que confirma a afirmação de Echwege:


Torrão que do seu ouro se nomeava,
por criar do mais fino ao pé das serras,
mas que feito enfim baixo e mal prezado,
O nome teve de ouro inficionado
.” (Canto IV)


O livro Viagem no Interior do Brasil, de João Emanuel Pohl, também dá a mesma versão para o significado da palavra. A freguesia foi criada em 1718, recebendo o título de Nossa Senhora do Nazaré do Inficionado. A matriz foi erguida pelo sargento-mor Paulo Rodrigues Durão que era pai do poeta Frei José de Santa Rita Durão .Em 1895, a Câmara Municipal de Mariana oficializou o nome de Santa Rita Durão. O centro histórico deste distrito é tombado pelo Instituto Estadual de Patrimônio Histórico e Artístico – Iepha, em 12.01.96.


Atrativos

Igreja Matriz de Nossa Senhora de Nazaré
Esta, provavelmente, não é a igreja original que teve sua construção no final da década de 10 do século 17. Segundo documentos, Domingos Francisco Teixeira ganhou licença para reedificar a capela-mor em 1779. Em 1780, foram dadas as condições e orçamento para essa reedificação que teve como responsável José Pereira Arouca.


A decoração dos retábulos segue o estilo joanino. O forro traz uma pintura na linha ilusionista de gosto Rococó. A cena no medalhão central mostra um milagre que Nossa Senhora de Nazaré fez a Dom Fuas Roupinho. O nobre português foi salvo de cair em um penhasco durante a caça a um cervo. Estes mesmos personagens, A virgem de Nazaré, Dom Fuas e o cervo são mostrados na portada da igreja.  Ainda no forro, a representação de São Pedro, São Paulo, São Tomás de Aquino e São Boaventura. “ A qualidade da pintura é ingênua, apresentando, entretanto, traçado elegante dos concheados e da rocaille”. (IPHAN) A obra é atribuída a João Batista de Figueiredo, um dos mais importantes pintores de Minas Gerais no século 18.


A Igreja é tombada pelo IPHAN. 
Registrada no Livro de Belas Artes. Inscrição: 306. Data: 5 de novembro de 1945. 
Registrada no Livro Histórico. Inscrição: 204. Data: 5 de novembro de 1945.


Igreja de Nossa Senhora do Rosário
Não existe documentação sobre a construção deste templo. Para o grande e estudioso Germain Bazin, o templo foi erguido possivelmente da segunda metade do século 18, mas conservando as características do estilo sóbrio das construções da primeira metade. “A capela possui alguns elementos que não são comuns em sua tipologia, como os dois corredores que ladeiam a nave e se abrem para ela através de arcos. Encimado por galerias superiores, estes corredores laterais conferem ao prédio a aparência de possuir três naves. Outra singularidade consiste na existência de uma varanda, na parte posterior da igreja, formada pela continuação do telhado da capela-mor, que possivelmente era usada como abrigo de animais.


Internamente, a capela de Nossa Senhora do Rosário é valorizada pela presença intensa de elementos artísticos e decorativos. Informa Germain Bazin que o altar colateral do lado do Evangelho pode, com certeza, ser atribuído ao Aleijadinho. Já o outro, trata-se de cópia de entalhador anônimo.” (IPHAN)


Os forros da nave e da capela-mor são pintados e existe no painel sob o coro a assinatura de João Batista de Figueiredo datada de 1792. O que se conclui que as pinturas devem ter sido executadas entre os anos de 1788 a 1790. 


A igreja já passou por várias restaurações. A dificuldade de sua manutenção está na precariedade de materiais da construção original - o pau-a-pique ou adobe; no alto grau de umidade devido ao alto índice pluviométrico; e no fato do templo não ser usado pela comunidade.


A Igreja é tombada pelo IPHAN. 
Registrado no Livro de Belas Artes. Inscrição: 307. Data: 5 de novembro de 1945.  
Registrada no Livro Histórico. Inscrição: 241. Data: 5 de novembro de 1945.


Casa com Rótulas 
Este imóvel possui a raridade das janelas com rótulas. “A fachada é simples, com porta de entrada e três janelas com rótulas. Estas são contidas num enquadramento de madeira, em forma de caixa, sobreposto à verga e às ombreiras. Na parte superior, são colocados pequenos bilros torneados, e na parte inferior, dividida em duas folhas de abrir para fora, as rótulas, em dois painéis de cada lado, sendo constituídas por peças finas de secção semicircular, sobrepostas diagonalmente, de modo a formar losango, com ponta de diamante ou desenho irradiado. Esse tipo de esquadria tem origem oriental e foi largamente empregada nas residências urbanas como forma de resguardar a privacidade, encontrando-se ainda alguns poucos exemplares em residências de Diamantina. No Rio de Janeiro, depois da chegada da Corte Portuguesa, as rótulas foram arrancadas por ordem real da fachada das casas, cujos exemplos podem ser vistos na iconografia antiga”.(Wladimir Alves de Souza)


Notáveis elementos decorativos são as cruzes vazadas no enquadramento de madeira da janela. Se a pessoa se posicionar em frente à cruz da primeira janela, poderá ver todas as demais alinhadas. A casa, que sempre teve função residencial, foi doada à União pelos proprietários através da escritura de 14 de maio de 1947. É tombada pelo IPHAN e registrada no Livro de Belas Artes. Inscrição: 389. Data: 2 de dezembro de 1950.


Localização: Rua do Rosário.


Trecho da Estrada Real 
O Distrito de Santa Rita Durão está bem na rota da Estrada Real. Dois trechos podem ser percorridos: de Bento Rodrigues a Santa Rita Durão (9 Km) e de Santa Rita Durão a Catas Altas (17 Km). Os dois trechos são muito agradáveis, com belas paisagens em meio a uma vegetação nativa.


O sol já se havia deitado, e escurecia a noite tropical, quando alcançamos a importante aldeia do Infeccionado, para aí pernoitarmos, depois de passar por um terreno muito desigual e, por isso perigoso. Encontramos grande parte dos habitantes reunidos diante de imagens de Nossa Senhora iluminadas, para rezarem o Ângelus. Este costume da mãe-pátria é praticado zelosamente e com solenidade quase teatral, por toda parte no Brasil; os mulatos, que em geral, além de língua ligeira, dispõe de pulmões fortes, assumem o ofício de primeiro cantor ou do padre. Inficcionado é o lugar de nascimento do Frade Durão, poeta de Caramuru, que cantou o descobrimento do Brasil”. (Spix e Martius)


Cachoeira de Santa Rita

Localização: 25 km do centro de Mariana

Enviar link