Destinos

Diamantina

Apresentação

  • Diamantina - Passadiço da Glória - Sérgio Freitas
  • Diamantina - Casario Sombra da capela da casa da Chica - Maria Lucia Dornas
  • Diamantina - Aldrava - Maria Lucia Dornas
  • Diamantina - Casa de Juscelino - Maria Lucia Dornas
  • Diamantina - Vista cidade através janela Igreja N.S. Rosário - Maria Lucia Dornas
  • Diamantina - Conjunto arquitetônico - Henry Yu
  • Diamantina - Gruta do Salitre - Henry Yu
  • Diamantina - Povoado de Biribiri - Henry Yu
  • Diamantina - Igreja de N.S do Carmo - Sérgio Freitas
  • Diamantina - Altar-mor - Igreja de N.S do Carmo - Sérgio Freitas
  • Diamantina - Interior da Igreja de N.S do Carmo - Sérgio Freitas
  • Diamantina - Capela-mor - Igreja de N.S do Carmo - Sérgio Freitas
  • Diamantina - Vista Noturna - Igreja de N.S do Carmo - Sérgio Freitas
  • Diamantina - Altar Lateral - Igreja de N.S do Carmo - Sérgio Freitas
  • Diamantina - Capela-mor - Igreja de N.S do Carmo - Sérgio Freitas
  • Diamantina - Órgão - Igreja de N.S do Carmo - Sérgio Freitas
  • Diamantina - Praça JK - Sérgio Freitas
  • Diamantina - Monumento em homenagem a JK - Sérgio Freitas
  • Diamantina - Igreja de N.S do Rosário - Sérgio Freitas
  • Diamantina - Diamantina - Sérgio Freitas
  • Diamantina - Igreja de São Francisco de Assis - Sérgio Freitas
  • Diamantina - Rua Bonfim - Sérgio Freitas
  • Diamantina - Vista parcial da cidade - amanhecer - Sérgio Freitas
  • Diamantina - Passadiço da Glória - Sérgio Freitas
  • Diamantina - Igreja de São Francisco de Assis - Sérgio Freitas
  • Diamantina - Matriz de Santo Antônio - Sérgio Freitas
  • Diamantina - Praça JK - Sérgio Freitas
  • Diamantina - Museu Jk ( antiga casa de JK ) - Sérgio Freitas
  • Diamantina - Casa de JK - Sérgio Freitas
  • Diamantina - Altar-mor Igreja de N.S do Carmo - Sérgio Freitas
  • Diamantina - Casa da Chica da Silva - Sérgio Freitas
  • Diamantina - Rua do Bonfim - Sérgio Freitas
  • Diamantina - Rua do Carmo - Sérgio Freitas
  • Diamantina - Catedral de Santo Antônio - Sérgio Freitas
  • Diamantina - Museu do Diamante e Prefeitura Municipal - Sérgio Freitas
  • Diamantina - Mercado Municipal - Sérgio Freitas
  • Diamantina - Igreja de N.S do Carmo - Sérgio Freitas
  • Diamantina - Rua do Carmo - Sérgio Freitas
  • Diamantina - Igreja de N.S do Rosário - Sérgio Freitas
  • Diamantina - Igreja N. S. do Rosário - Marcelo Andrê
  • Diamantina - Distrito de Sopa. Descanso na praça. - Maurício Vasconcelos
  • Diamantina - Distrito de Sopa. Encontro no adro - Maurício Vasconcelos
  • Diamantina - Caminho dos escravos - Diego Gazola
  • Diamantina - Gruta do Salitre - Diego Gazola
  • Diamantina - Ponte sobre o Rio Biribiri - Diego Gazola
  • Diamantina - Garimpo de diamantes - Diego Gazola
  • Diamantina - Igreja Nossa Senhora do Rosário - Diego Gazola
  • Diamantina - Casario de Diamantina - Diego Gazola
  • Diamantina - Igreja de São Francisco de Assis - Diego Gazola
  • Diamantina - Igreja N. Senhora das Mercês - Diego Gazola
  • Diamantina - Interior da Igreja de Nossa Senhora do Carmo - Diego Gazola
  • Diamantina - Povoado de Curralinho - Diego Gazola
  • Diamantina - Ig. Senhor do Bonfim dos Militares - Diego Gazola
  • Diamantina - Povoado de Biribiri - Diego Gazola
  • Diamantina - Museu do Diamante - Diego Gazola
  • Diamantina - Casa de JK - Diego Gazola
  • Diamantina - Anjos do Espírito Santo - Festa do Divino - Sônia Tangari
  • Diamantina - Semana Santa em Diamantina - Maria de Lourdes Reis
  • Diamantina - Tapetes de Rua - Maria de Lourdes Reis
  • Diamantina - Rainha do Tijuco - Oscar Eduardo Mendes dos Santos
  • Diamantina - Anjo - Det. de Altar - Catedral de Santo Antônio - Maria Lucia Dornas
  • Diamantina - Vila de Biribiri - Robson de Oliveira
  • Diamantina - Cachoeira da Sentinela - Robson de Oliveira
  • Diamantina - Vila de Biribiri - Sérgio Freitas
  • Diamantina - Cachoeira da Sentinela - Sérgio Freitas
  • Diamantina - Cachoeira dos Cristais - Sérgio Freitas
  • Diamantina - Passadiço da Glória - Sérgio Freitas
  • Diamantina - Gruta do Salitre - Bruno Guilarducci
  • Diamantina - Diamantina - Bruno Guilarducci
  • Diamantina - Caminho para a Casa Santa - Bruno Guilarducci
  • Diamantina - Basílica de Santo Antônio - Leo Drummond
  • Diamantina - Igreja São Fancisco - Leo Drummond
  • Diamantina - Monumento JK - Leo Drummond
  • Diamantina - Passadiço da Glória - Leo Drummond
  • Diamantina - Passadiço da Glória - Leo Drummond
  • Diamantina - Sinalização de Patrimônio - Leo Drummond
  • Diamantina - Vila de Biribiri - Diego Gazola
  • Diamantina - Vila de Biribiri - Diego Gazola
  • Diamantina - Casa da Vila de Biribiri - Diego Gazola
  • Diamantina - Igreja Sagrado Coração de Jesus - Diego Gazola
  • Diamantina - Detalhe - Igreja Sagrado Coração de Jesus - Diego Gazola
  • Diamantina - Rua de Diamantina - Diego Gazola
  • Diamantina - Rua de Diamantina - Diego Gazola
  • Diamantina - Rua de Diamantina - Diego Gazola
  • Diamantina - Rua de Diamantina - Diego Gazola
  • Diamantina - Diego Gazola
  • Diamantina - Comércio  - Diego Gazola
  • Diamantina - Rua de Diamantina - Diego Gazola
  • Diamantina - Vista parcial de Diamantina - Diego Gazola
  • Diamantina - Vista parcial de Diamantina - Diego Gazola
  • Diamantina - Vista parcial de Diamantina - Diego Gazola
  • Diamantina - Cachoeira dos Cristais - Diego Gazola
  • Diamantina - Cachoeira Sentinela - Diego Gazola
  • Diamantina - Capela do Senhor do Bonfim - Diego Gazola
  • Diamantina - Capela do Senhor do Bonfim - Diego Gazola
  • Diamantina - Casa de JK - Diego Gazola
  • Diamantina - Diego Gazola
  • Diamantina - Casa de JK - Diego Gazola
  • Diamantina - Igreja Nossa Senhora do Rosário - Diego Gazola
  • Diamantina - Igreja Nossa Senhora do Rosário - Diego Gazola
  • Diamantina - Casa do muxarabi - Diego Gazola
  • Diamantina - Casa do muxarabi - Diego Gazola
  • Diamantina - Catedral de Santo Antônio - Diego Gazola
  • Diamantina - Igreja N. Senhora do Carmo - Diego Gazola
  • Diamantina - Órgão da Igreja Nossa Senhora do Carmo - Diego Gazola
  • Diamantina - Altar de Santa Elias - Diego Gazola
  • Diamantina - Altar-mor da Igreja N. Senhora do Carmo - Diego Gazola
  • Diamantina - Altar de Santa Tereza d'Ávila - Diego Gazola
  • Diamantina - Mercado Municipal - Diego Gazola
  • Diamantina - Mercado Municipal - Diego Gazola
  • Diamantina - Calabouço da antiga Casa da Intendência - Diego Gazola
  • Diamantina - Calabouço da antiga Casa da Intendência - Diego Gazola
  • Diamantina - Calabouço da antiga Casa da Intendência - Diego Gazola
  • Diamantina - Forum - Diego Gazola
  • Diamantina - Gruta do Salitre - Diego Gazola
  • Diamantina - Garimpo de diamante - Diego Gazola
  • Diamantina - Garimpo de diamante - Diego Gazola
  • Diamantina - Distrito de Curralinho - Diego Gazola
  • Diamantina - Casa no distrito de Curralinho - Diego Gazola
  • Diamantina - Garimpo de diamante - Diego Gazola
  • Diamantina - Capela do Distrito de Curralinho - Diego Gazola
  • Diamantina - Distrito de Curralinho - Diego Gazola
  • Diamantina - Casa no distrito de Curralinho - Diego Gazola

Lisboa está em festa, os sinos tocam, Te-Deums são celebrados, congratulações chegam dos vários reinos europeus, incluindo os cumprimentos do Santo Padre. Qual a razão para tanto júbilo?


São  as pequenas pedras de carbono puro que foram encontradas na distante colônia. Diamantes!


Extremamente valorizados na Europa, eram de suma importância para  aumentar a riqueza do Reinado de  D.João V. 


Tendo como referência  o Pico do Itambé, diversas bandeiras cortam a região do Jequitinhonha em busca dos metais preciosos. Entre as serras de Santo Antônio e São Francisco havia um local formado pelo pequeno afluente do Rio Grande, o Vale do Tijuco, que revelou-se como um excelente local para mineração do ouro.


O pequeno arraial  que acabou  surgindo, por volta de 1713, com a bandeira de Jerônimo Gouvêa, no local  conhecido como Burgalhau, não se diferenciava  das centenas de povoados que surgiram no início do século 18, na Capitania das Minas. A população se dedicava à mineração do ouro.


Os primeiros diamantes que transformariam radicalmente a vida do arraial somente foram encontrados no período de 1719 a 1722.


Autoridades locais não  noticiaram de imediato a fabulosa descoberta  à Coroa Portuguesa. Quase 10 anos haviam se passado e, só após a insistência de alguns mineradores de participarem  os achados, é que o Governador D.Lourenço de Almeida fez o comunicado de que as preciosas pedrinhas tinham sido encontradas. Diamantes! 


Passadas as celebrações, a resposta  de Lisboa veio de imediato: a Coroa impôs as primeiras medidas de controle sobre a região dos diamantes, através de Regimento datado de 26 de junho de 1730, com a instituição da cobrança do quinto, o lançamento da capitação sobre cada escravo empregado na mineração diamantífera, a anulação das concessões de datas e a proibição  da exploração do ouro da região, precauções essas que visavam garantir o poder real sobre a nova riqueza. (Barroco 16)


Esse era o começo de uma administração totalmente inédita  na colônia. Em 1734, foi criada a Intendência dos Diamantes que, com um regime próprio, altamente fiscalizador, rígido, arbitrário e r epressivo,  isolou  a área do restante da capitania.


Na década de 40 inicia-se o Sistema de Contratos que vigorou até 1771. Foi o período de maior produtividade do Distrito. Em 31 anos, os números oficiais atingem a soma de 1.666.569 quilates. Em 1771 o Marquês de Pombal  designa  para o distrito um novo tipo de administração: a Real Extração. O diamante, a partir de então, seria explorado pela própria  Coroa Portuguesa. Para isso, foi criada uma junta administrativa  com poderes absolutos  que tinha seus atos respaldados por  um  instrumento legal - o Livro da Capa Verde. Esse nome é devido ao regulamento ter sua encadernação em couro marroquino verde. O Livro da Capa Verde era tão  abominado pela população Tijucana que, quando fundou a Real Extração,já no Segundo Império, o documento foi queimado em praça pública.


Enquanto os arraiais da Capitania ganhavam título de Vila já na década de 10, do setecentos, o  Distrito Diamantino manteve-se como arraial só conseguindo o título de Vila em 1831, passando a chamar-se Diamantina. Nesse período, os intendentes já não eram tão poderosos e as lavras foram franqueadas. Mas, com a descoberta dos diamantes na África do Sul, em 1867, a decadência na mineração  foi inevitável.


A segunda metade do século 19 trouxe novos desafios e novos rumos para Diamantina. A agricultura se torna importante e o comércio, que já se mostrava desenvolvido no século 18 devido ao isolamento do Arraial,  teve um expressivo  crescimento comparado até mesmo ao do Rio de Janeiro. Diamantina passa a ser pólo comercial e centro de referência para todo o Jequitinhonha. Já havia, então, obtido o título de cidade em 1838.


Dessa trajetória, nasceu um extraordinário patrimônio cultural que, merecidamente, hoje  é  Patrimônio Cultural da Humanidade. Autêntica e  excepcional,  tanto nos atrativos histórico-culturais e naturais, quanto pelo seu povo.  


Spix, o famoso viajante que percorreu Minas Gerais no século 19, relata: 'Minha tarefa não estaria perfeita se, após ter dado a conhecer a situação da  capital do Distrito dos Diamantes, seu clima, seus edifícios públicos, eu não dissesse qualquer coisa a respeito dos habitantes dessa bela aldeia. Em toda a Província de minas encontrei homens de costumes delicados, cheios de afabilidade e hospitaleiros; os habitantes do Tijuco não possuem tais qualidades em menor grau, e nas primeiras classes da sociedade elas são ainda acrescidas por uma polidez sem afetação e pelas qualidades  de sociabilidade. Encontrei nesta localidade mais instrução que em  todo o resto do Brasil, mais gosto pela literatura e um desejo mais vivo de se instruir'.


'Deixei com pesar a região de Diamantina...socialmente  falando, é o lugar mais simpático do Brasil, à luz da minha experiência.' Essa é a lembrança que Richard  Burton, o viajante inglês, levou de  Diamantina.


Os sinos de Lisboa prediziam  uma cultura brilhante que iria florescer nos sertões das Gerais.   

 


Enviar link

Região Turística
Central
  • Este destino pertence ao(s) circuito(s):
  • Diamantes
  • Prefeitura
  • Praça Conselheiro Mata, 11
    Cep 39100-000
    38  3531-9220


    Site Oficial


    Prefeito
    Paulo Célio Hugo
    Vice-prefeito
    Cássio Moreira

  • Cidades próximas:
  • Couto de Magalhães de Minas
  • Datas
  • Gouveia
  • Milho Verde - Distrito do Serro
  • Presidente Kubitschek
  • São Gonçalo do Rio Preto
  • Senador Modestino Gonçalves
  • Serro