Turismo

Circuitos

Guimarães Rosa

© Divanildo Marques Pirapora - Navio a Vapor Benjamim Guimarães - Divanildo Marques Navio a Vapor Benjamim Guimarães

Primeiro Circuito Turístico baseado em literatura, é destinado àqueles que querem ver, no sertão mineiro, os cenários da obra e vida de João Guimarães Rosa. Pelos caminhos do sertão, apreciam-se o engenho e a arte de viver do sertanejo, o som das violas e do berrante, as festas tradicionais, as cavalgadas, o passeio de barco pelo Rio São Francisco e ainda Encontros Culturais inspirados nos contos do escritor.


Formado por Araçaí, Buritizeiro, Corinto, Curvelo, Inimutaba, Morro da Garça, Pirapora, Presidente Juscelino, Santo Hipolíto são terras de todas as histórias e estórias, e cada município tem as suas para contar. Alguns começaram o seu aldeamento às margens de rios, como o São Francisco e seus afluentes; outros, onde os tropeiros e os boiadeiros paravam para descansar, foram surgindo com a instalação de ranchos ou ainda ao longo da estrada de ferro. Todas com suas peculiaridades, riquezas e características comuns do bem receber.


Curvelo
Em Curvelo, no início do século 20, a partir da cultura do algodoeiro, instalou-se a segunda fábrica de tecidos da família Mascarenhas. O desenvolvimento da siderurgia mineira fez surgir o reflorestamento de eucalipto. A pecuária, no entanto, sempre constituiu a principal atividade econômica, mas o desenvolvimento do comércio e serviços contribuiu para o crescimento da cidade. Curvelo é um dos municípios mais arborizados do Estado de Minas Gerais, onde predominam espécies florestais como sibipiruna e oitti.


Morro da Garça
A denominação do lugar se deve à existência de uma elevação rochosa, a mais alta da região, com cerca de mil metros de altitude, na qual existem muitas garças, proporcionando uma visão de toda a região. Cana, milho, feijão, arroz e mandioca são os produtos cultivados em Morro da Garça ainda hoje, mas a tradição da pecuária se mantém: cerca de 18 mil bovinos compõem a atividade econômica mais importante do município.


Corinto
Povoado surgindo de um pouso de tropeiros que vinham de Montes Claros, Nordeste mineiro, da Bahia, no rumo de Pitanguinho, e do Caminho Novo, que levava ao Rio de Janeiro, o município começou chamando-se Curralinho, lugarejo à porta da fazenda de Antônio Araújo dos Santos, que, em 1705, já possuía um engenho de açúcar, "o primeiro que se levantou nestas Minas". Hoje é próspero município, emancipado desde 1923, e vive da agropecuária, principalmente da pecuária de corte, sua tradição desde os tempos coloniais.


Pirapora
A cidade de Pirapora, situada na margem direita do Alto Médio São Francisco, justamente em frente à Cachoeira de Pirapora (pira= peixe; porá= salto, in Brás da Costa Rubim, Ver. I.H.G.B., XLV, 2º, 377), é porto fluvial e ponto inicial da navegação normal do Rio São Francisco. O município é constituído de um único distrito.


Buritizeiro
Localizado na Zona do Alto Médio São Francisco, à margem esquerda do "Velho Chico", Buritizeiro é um dos mais belos municípios do Norte mineiro. Como o clima tropical prevalece a maior parte do ano, a "terra dos buritis" possui características que propiciam o plantio de diversas culturas, como café, soja, tomate, feijão, coco, palmito, banana e milho, além de intensa atividade agroindustrial, pesca e turismo rural. O Velho Chico, com suas imponentes corredeiras, os majestosos Rio do Sono, Paracatu e Formoso e as belas cachoeiras, como Cachoeiras das Almas, Cachoeira do Jucurutu, Cachoeira Santa Marta, Cachoeira Grande e o belíssimo Pico do Itacolomi distribuídos pelo município, convidam os amantes do ecoturismo a conhecer seus atrativos de janeiro a dezembro.


Inimutaba
Fundada em 1874 e situada no Vale do Alto São Francisco, Inimutaba, originalmente Cachoeira, teve em suas terras a instalação da segunda fábrica de tecidos da família Mascarenhas. Tratava-se da Fábrica de Santo Antônio do Curvelo, que iniciou sua produção em janeiro de 1877. A indústria têxtil da família Mascarenhas tinha como fundamento o algodão cultivado na região de Minas Novas e nas cercanias de Paracatu, havendo em toda parte, no entanto, pequenas plantações de algodão.


Araçaí
Sua origem se deve à construção da Estrada de Ferro Central do Brasil, em 1903. Ao derredor do prédio da estação ferroviária, formou-se o povoado, ganhando a condição de distrito em 1911, emancipando-se de Paraopeba em 1943, quando tomou a denominação de Araçaí, nome indígena que significa "fruto silvestre". Com a Central do Brasil, antiga Estrada de Ferro D. Pedro II, que haveria de ser o Caminho de Ferro, na afirmação do ferroviário e escritor cordisburguense Francisco Timóteo Pereira, contornando montanhas, transpondo leitos de rios e ribeirões, derribando matas, rasgando morros e rochedos, aterrando alagados e depressões ao longo de terras mineiras.


Santo Hipólito
Localizaso à margem direita do Rio das Velhas, o município é banhado também pelo Rio Pardo. O nome que deu origem a cidade foi devido a imagem de um santo encontrado nas escavações da ponte do referido rio. Encontram-se preservadas a antiga estação ferroviária, a ponte férrea Central do Brasil com dois lances de aproximadamente 200m, que liga as cidades de Santo Hipólito a Corinto. Entre os pricipais atrativos turisticos podemos citar a cachoeira do Lameirão, fazenda do Brejo (antiga propriedade que utilizava serviços escravos no passado, onde marcas de sua história são registradas pelo tronco onde os negros eram acoitados).


Basílica de São Geraldo
Os missionários Redentoristas pregaram missões em Curvelo em 1904, ano da canonização de São Geraldo, dois anos depois no dia 18 de dezembro de 1906 chegaram os iniciadores da presença redentorista no centro geográfico de Minas Gerais. Vieram de trem pela Central do Brasil, os padres Thiago Boomaars, José Goosens e o Irmão Filipe Winter. Uma novena de 06 a 15 de outubro daquele ano preparou a primeira festa de São Geraldo, realizada em Curvelo, onde mais tarde seria construído o santuário de São Geraldo. Recebeu o título de basílica menor por Paulo VI, no dia 30 de abril de 1966. Atualmente a Basílica possui em anexo uma sala de milagres construída no memso tempo da igreja, onde os devotos colcam fotos, acendem velas, em busca de milagres e agradecimento. 


A festividade mais importante é a oitava de São Geraldo realizada no mês de setembro, atraindo milhares de romeiro vindos de todos os cantos do país.

Certificado em 11 de fevereiro de 2005.
Certificação renovada em 2009 / 2010.


Presidente
Anselmo Luis Rocha de Matos
presidente@circuitoguimaraesrosa.com.br


Diretora Cultural
Rosa Maria Barbosa da Silva Resende


Sede do Circuito
Rua Deputado Manoel Pereira da Silveira, 31 - Centro
CEP 35798-000
Morro da Garça
www.circuitoguimaraesrosa.com.br


A agência que opera este Circuito é:
Andarilho da Luz - Caminhadas Ecológicas Terapêuticas - Belo Horizonte
31 3494-2727
www.andarilhodaluz.com.br


Atualizado em 06 de novembro de 2014

 

Enviar link