Cultura

Artes

Senac
  • Logo Senac Minas
  • Hotel Grogotó
  •  

Henriqueta Lisboa

Cronologia
Nascimento: 15 de julho de 1904 (registro em cartório) Segundo familiares, 1901.
Morreu: 09 de outubro de 1985
Filiação: Maria Rita Vilhena Lisboa e Conselheiro João de Almeida Lisboa
Natural de Lambari/MG


Formação

Curso Primário - Grupo Escolar Dr. João Bráulio Júnior - Lambari
Curso de Magistério - Colégio Sion - Campanha


Atividades

Poeta
Tradutora
Ensaísta
Inspetora Federal de Ensino Secundário
Professora de Literatura da PUC Minas
Professora de História na Escola de Biblioteconomia - UFMG


Trajetória de vida

Foi a primeira mulher a ingressar na Academia Mineira de Letras em 1963

A sua produção intelectual se caracterizou pelo exercício da tradução, publicação de ensaios literários, organização de antologias e participação em obras coletivas.

Henriqueta Lisboa teve o acompanhamento profissional e conselhos literários de Mário de Andrade.


Principais obras

Fogo fátuo (1925)
Enternecimento (1929)
Velário (1936)
Prisioneira da noite (1941)
O menino poeta (1943)
A face lívida (1945)
Flor da morte (1949)
Madrinha lua (1952)
Azul profundo (1956)
Montanha viva, Caraça (1959)
Antologia poética para a infância e a juventude (1961)
Além da imagem (1963)
Belo Horizonte bem querer (1972)
O alvo humano (1973)
Reverberações, Miradouro e outros poemas (1976)
Celebração dos elementos (1977).

A sua produção inclui ainda, diversos ensaios, discursos, conferências, prefácios, artigos de periódicos e traduções.


Homenagem/Título/Prêmio

Prêmio de Poesia Olavo Bilac, da Academia Brasileira de Letras pelo livro Enternecimento - 1931
Medalha e diploma de O Malho como uma das cinco intelectuais brasileiras laureadas no plebiscito 'Levemos a mulher à Academia de Letras' - 1937
Prêmio de poesia 'Othon Bezerra de Mello' , da Academia Mineira de Letras -1955
Diploma de Personalidade de Minas Gerais no setor de literatura - 1960
Cidadã Honorária de Belo Horizonte - 1969
Prêmio Machado de Assis, da Academia Brasileira de Letras pelo conjunto da obra - 1984


Poemas


Mamãezinha

Mamãezinha, conta,
conta uma história!

Mamãezinha agora
está no fogão
fazendo quitutes
para o seu neném.

Mamãezinha, conta,
conta uma história!

Mamãezinha agora
está no tanque
lavando as roupas
do seu neném.

Conta, Mamãezinha,
conta uma história!

Mamãezinha agora
está no seu sono
cansado, sem sonhos.


Coraçãozinho

Coraçãozinho que bate
tic tic
Reloginho de Papai
tic tac
Vamos fazer uma troca?

Relógio fica comigo
tic tic
dou coração a Papai
tic tic tac


Fidelidade

Ainda agora e sempre
o amor complacente.
De perfil de frente
com vida perene.
E se mais ausente
com o passar do tempo
à alma que consente
no maior silêncio
em guardá-lo dentro
de penumbra ardente
sem esquecimento
nunca para sempre
doloridamente.

 

 

Enviar link