Cultura

Entrevistas

Senac
  • Logo Senac Minas
  • Hotel Grogotó
  •  

Paula Pimenta - Janeiro 2016

  • Paula Pimenta - Arquivo Pessoal / Paula Pimenta
  • Arquivo Pessoal / Paula Pimenta
  • Arquivo Pessoal / Paula Pimenta
  • Arquivo Pessoal / Paula Pimenta
  • Arquivo Pessoal / Paula Pimenta
  • Arquivo Pessoal / Paula Pimenta
  • Arquivo Pessoal / Paula Pimenta


Especialmente para a turminha que vai passar as férias em casa, o Descubraminas preparou uma deliciosa entrevista com a escritora infanto-juvenil mais querida do momento: Paula Pimenta! Com mais de 980 mil exemplares vendidos só ano passado, Paula promete novidades para 2016.

                                            
                        "Minas Gerais é minha essência."


Por Roberta Almeida

Descubraminas - Entre os escritores brasileiros, você foi quem mais vendeu livros no País nos últimos dois anos, sendo o mais famoso "Fazendo Meu Filme". O que suas obras representam para os adolescentes de hoje?

Paula Pimenta -
Muitos adolescentes me contam que não gostavam de ler até terem contato com os meus livros, e que a partir deles passaram a ler de tudo! Isso é muito gratificante para um autor ouvir, pois sei que é exatamente assim que o hábito da leitura é despertado. Sempre tem aquele primeiro livro que nos mostra que ler é prazeroso. Fico feliz de saber que os meus estão cumprindo esse papel.


DM - Você nasceu em Belo Horizonte e em seus livros há algumas referências a Minas Gerais, como pode ser visto no "Fazendo meu filme em quadrinhos 1 e 2". Você acredita que a cultura mineira no geral contribui de alguma maneira na construção de seus trabalhos?

PP -
Com certeza! Eu sempre aconselho as pessoas que me pedem dicas para escrever que situem suas histórias em um local que conheçam bem, para que a narrativa soe real e assim convença o leitor. Por esse motivo, uso Belo Horizonte como cenário da maioria das minhas narrativas.

Eu morei minha vida inteira em BH. Meus costumes são daqui, minhas referências, os lugares que sempre frequentei... Então com certeza isso reflete nos meus textos e na minha forma de escrever.


DM - Você conseguiu atingir um público jovem que tendia a enxergar a leitura apenas como uma obrigação escolar. Qual estratégia você utiliza para que seus livros cativem tanto os adolescentes, visto que as obras possuem centenas de páginas?

PP -
Eu tento retratar os meus personagens como os adolescentes de hoje, pois isso gera uma identificação. Apesar de me inspirar muito na minha própria vida, na adolescente que fui anos atrás, eu tento sempre atualizar os fatos, inserir costumes dos dias de hoje.

Assim, ao ler, eles se sentem próximos dos personagens, como se estivessem lendo a história de uma amiga ou até deles mesmos.


DM - Você é extremamente conectada à internet. O que acha dessa conexão instantânea com o leitor?

PP -
A internet encurtou distâncias, fez com que as pessoas se aproximassem. Quando eu era adolescente, não fazia a menor ideia a respeito de quem eram os autores dos livros de que eu gostava. Apenas via a foto na orelha e nem sabia se era atual ou não...

Atualmente, os leitores podem interagir diretamente com os autores e isso é muito rico para os dois lados. Para o autor porque recebe imediatamente o retorno sobre o que acham dos seus livros. E o leitor, por sua vez, pode questionar sobre certa passagem da história, pode indagar sobre os próximos livros... Eu considero um privilégio ser escritora nos dias de hoje.


DM - Em 2015, você fez um intercâmbio na Califórnia com meninas de todo Brasil, visitando os lugares que aparecem no "Fazendo Meu Filme 4", inclusive registrou esse passeio pelo snapchat. Como foi essa experiência?

PP -
Em 2011, eu fui a Los Angeles para fazer pesquisa para escrever "Fazendo meu filme 4". Então voltar ali com as minhas leitoras tantos anos depois. Foi maravilhoso, pois pude mostrar a elas cada local do livro, e, de certa forma, revivemos a história!

Em 2013, eu também viajei com algumas leitoras para Brighton, na Inglaterra, onde foi o intercâmbio da Fani em "Fazendo meu filme 2". Foi também muito emocionante, pois eu escrevi o primeiro "Fazendo meu filme" exatamente na Inglaterra (em 2005) e naquela época nem imaginava que iria publicá-lo...

Então voltar ali com leitoras foi uma das experiências mais emocionantes da minha vida!


DM - Dos contos de fadas, você faz uma releitura de "Bela Adormecida" ("Princesa Adormecida") e "Cinderela ("Cinderela Pop"). Tem mais princesas modernas vindo por aí?

PP -
Sim! Este ano vou lançar o da ‘Ariel' e futuramente também escreverei releituras para a ‘Branca de Neve' e ‘A Bela e a Fera'.


DM - O que é preciso para escrever? Quais dicas você daria para nossos internautas?

PP -
Em primeiro lugar, é importante ler muito. Geralmente quem gosta de ler e tem esse hábito, escreve bem. Devemos também escrever sobre o que gostamos, pois quando escrevemos com paixão, os leitores sentem isso.

Escrever sobre o que realmente conhecemos é importante também, por isso, ao escolher um tema, certifique-se de que você domina o assunto, para não se perder no meio da história.

Depois que o livro estiver pronto, é preciso também muita paciência e força de vontade para procurar uma editora. Acho que esses são os passos fundamentais para quem quer escrever e publicar um livro.


DM - Você teve mais de 980 mil exemplares vendidos em 2015 e já possui obras traduzidas em quatro idiomas. O que os leitores podem esperar para 2016?

PP -
Tenho planos para lançar pelo menos três livros em 2016, mas como ainda não comecei a escrever nenhum deles, ainda não posso dar certeza...

Mas meus próximos projetos são a releitura da história da ‘Ariel' (A Pequena Sereia), ‘Fazendo meu filme em quadrinhos 3' e o primeiro livro de uma nova série, com uma personagem apaixonada por livros!


Papo de Mineiro

DM - Quem é ou foi verdadeiramente mineiro?
PP -
A banda Skank. Eles ganharam o Brasil, mas nunca perderam suas raízes mineiras.

DM - Aquela música que tem a alma de Minas?
PP -
Todas do "Clube da Esquina", mas especialmente "Para Lennon e McCartney".

DM - Adoro um bom prato de...
PP -
Brigadeiro!

DM - Para quem visita Minas, o que você diz ser imperdível?
PP -
Tiradentes. Acho que é uma cidade que todo mundo devia conhecer!

DM - Em uma viagem, o que você sempre leva na bagagem para presentear?
PP -
Livros!

DM - Qual artista melhor representa Minas Gerais?
PP -
Lô Borges.

DM - A paisagem que te inspira...
PP -
A Serra do Curral.

DM - Atlético, Cruzeiro ou América?
PP -
Cruzeiro.

DM - Fim de semana na cidade grande ou na roça?
PP -
Roça.

DM - Quando estou fora morro de saudades de...
PP -
Pão de queijo!

DM - Minas Gerais é...
PP -
Minha essência.

Enviar link

Outras entrevistas