Cultura

Casos de Minas

Senac
  • Logo Senac Minas
  • Hotel Grogotó
  •  

Bulinha de vovó Juaninha

Quando nóis ia passiá na casinha de vovó Juaninha, aquela casa de adobe, de chão batido, as caminha de mola e os cochãozim de paia, ela acordava às cinco e poca da manhã, punha lenha no fugãozim e atiava o fogo.


Cuava o cafezim muído na hora e ispaiava aquele cherim gostoso pru quintá afora. Aí, nóis acordava já com o bule de café fumegano e o prato cheim de bulinha im riba da mesa. Ô, tempo bão!


Mode fazê a Bulinha
Vovó pegava um caneco dos grande, quebrava trei zovo den dele, ponhava uma caneca de açuca e batia bem, inté quase virá uma gemada. Ia revirano uma caneca de trigo inté dá o ponto de tirá as cuierada (isso é quando ocê levanta a cuié e a massa tá no ponto de fritá). A massa num pode ficá molenga e nem socada. Aí, ocê vira uma cuiezinha de pó de fermento pra fazê a bicha istufá, mistura o trem e vai jugano as cuierada de uma a uma no óio quente. Ói! Quando o óio tá múntio quente, o miolo das bulinha fica molim, gostoso que só veno! Dispois de frito, se quisé, pode roçá as bulinha num prato de açuca e cumê à vontade.
Dá uma sodade danada, sô! Em dia de chuva, antâo, é batê e valê, uai!


Biete
Essa recêitia eu panhei co a neta de Vovó Juaninha, a Margareth, muié de Fabim, irmão de Airto, meu cumpádi, e ela nasceu lá pras banda do Corinto.

Enviar link

Categoria
Receitas à moda da roça
Autor
Leonildo Miranda Araújo - Leo e Leo
E-mail
leolivros@hotmail.com